Apresentação
Equipe
Infra-estrutura
Linhas de Pesquisa
Publicações
Sistema de Produção
Polinização
Fale Conosco
Laboratório de Mel
Bom dia! Sábado, 20 de dezembro de 2014
Buscar
Presença da bactéria causadora do botulismo no mel de abelhas

Fábia de Mello Pereira
Pesquisadora da Embrapa Meio-Norte

O botulismo infantil é uma doença que acomete lactente e é causada pela ingestão de alimentos contaminados com a bactéria Clostridium botulinum. Embora tenha sido comprovada a contaminação de bebês que consumiram alimentos industrializados e formulações próprias, pesquisas indicam que um terço dos casos de botulismo infantil ocorridos no mundo tem histórico de ingestão de mel, fazendo com que esse alimento seja contra-indicado para crianças com menos de 1 ano de idade (Aron, 1979; Europen Commission, 2002).

Apesar de mais de mil casos de botulismo infantil já ter sido relatado em todo mundo, menos na África, devido à semelhança com outras síndromes, acredita-se que os diagnósticos errôneos encobrem grande parte da ocorrência dessa doença. Cerca de 4,5 a 15% doa vítimas da "Síndrome da Morte Súbita do Bebe" ou "Morte do Berço" foram posteriormente confirmados como botulismo infantil (Mugnol, 1997; Europen Commission, 2002). Devido à crença de que o mel tem propriedades terapêuticas, esse alimento é fornecido para crianças em substituição ao açúcar e mesmo como remédio. Por isso, acredita-se que os casos de botulismo de lactentes decorrentes da contaminação de mel é maior do que o revelado.

Apesar de mais de mil casos de botulismo infantil já ter sido relatado em todo mundo, menos na África, devido à semelhança com outras síndromes, acredita-se que os diagnósticos errôneos encobrem grande parte da ocorrência dessa doença. Cerca de 4,5 a 15% doa vítimas da "Síndrome da Morte Súbita do Bebe" ou "Morte do Berço" foram posteriormente confirmados como botulismo infantil (Mugnol, 1997; Europen Commission, 2002). Devido à crença de que o mel tem propriedades terapêuticas, esse alimento é fornecido para crianças em substituição ao açúcar e mesmo como remédio. Por isso, acredita-se que os casos de botulismo de lactentes decorrentes da contaminação de mel é maior do que o revelado.

As análises de amostras de méis indicam que entre 2% e 15% do mel em todo o mundo está contaminado com esporo de Clostridium botulinum, havendo uma incidência maior de contaminação em amostras coletadas nos próprios apiários (até 23%; Midura et al., 1979; Nevas et al., 2006). Segundo pesquisas realizadas pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), cerca de 7% do mel brasileiro de Apis mellifera está contaminado com Clostridium botulinum (Schocken-Iturrino et al. 1999; Rall et al., 2003). Na Finlândia, estudos demonstraram que essa bactéria não está presente somente no mel, mas também nas abelhas, na cera e no pólen (Nevas et al. 2006).

Como o Clostridium botulinum está amplamente distribuído no meio-ambiente, a contaminação do mel pode ocorrer a partir do néctar e pólen, pela própria abelha, ar, etc. Nesses casos não existe forma de evitar a contaminação. Por outro lado, por ser resistente ao calor, a pasteurização do mel não elimina o Clostridium botulinum. Somente temperaturas superiores a 100oC podem afetar o agente causador do botulismo e aquecer o mel a essa temperatura destrói suas propriedades físico-químicas.

Algumas práticas de manejo podem aumentar ou diminuir a presença do Clostridium botulinum nas colônias. A utilização das Boas Práticas de Fabricação (BPF) durante todas as etapas da colheita, extração e beneficiamento podem evitar a contaminação posteriormente. Chamo atenção para essa observação: a contaminação pode ser reduzida, mas não evitada. Além disso, como um mel que sai da colméia sem conter os esporos, pode ser contaminado durante a extração, ou mesmo posteriormente, no processo de envase, incluir a análise de detecção do Clostridium botulinum.

Por outro lado, não existem dados sobre a presença desse esporo em mel de abelhas sem ferrão (Melipona). Como essas espécies utilizam barro na construção dos ninhos, é possível que a quantidade de Clostridium botulinum nesses méis seja maior do que a existente no mel de Apis mellifera. Sendo assim, é necessário que sejam realizadas pesquisas neste aspecto para nortear as ações dos órgãos competentes sobre o assunto.

Referência Bibliográfica

Arnon, S. S. Honey and other environmental risk factors for infant botulism. The Journal of Pediatrics, v. 94, n. 2, p. 331-336, 1979.

Europen Commission. Opinion of the Scientific Committee on Veterinary Measures Relting to Public Health on Honey and Microbiological Hazards. 2002, 38p.

Midura, T. F.; Snowden, S.; Wood, R. M.; Arnon, S. S. Isolation of Clostridium botulinum from honey. Journal of Clinical Microbiology, v. 9, n.2, p. 282-283, 1979.

Mugnol, K. C. U. Botulismo infantil, um estudo preliminar. Mogi das Cruzes (SP). 1997. 24p. Monografia (Especialização em Biotecnologia). Universidade de Mogi das Cruzes.

Nevas, M.; Lindström, M. Hörman, A.; Keto-Timonen, R.; Korkeala, H. Contamination routes of Clostridium botulinum in the honey production environment. Environmental Microbiology, v. 8, n. 6, p. 1085-1094, 2006.

Rall, V. L. M.; Bombo, T. F.; Lopes, T. F.; Carvalho, L. R.; Silva, M. G. Honey consumption in the state of São Paulo: risk to human health: Anaerobe, n. 9, p. 299-303, 2003.

Schocken-Iturrino, R. P.; Carneiro, M. C.; Kato, E.; Sorbara, J. O. B.; Rossi, O. D.; Gerbasi, E. R. Study of the presence of the spores Clostridium botulinum in honey in Brazil. FEMS Immunology and Medical Microbiology, n. 24, p. 79-382, 1999.

Voltar